Sobre sentimentos que guardamos…

beauty-354565_960_720

Por Stéfany Solari Maciel

Existem muitos sentimentos que deixamos no estágio “em off” em nossas vidas, tipo amores, sentimentos mal resolvidos, mágoas e etc. Sendo assim, sentimentos que  não são capazes que nós seguíamos em frente na nossa vida cotidiana, sendo assim a qualidade do que nós pensamos e sentimos irão repercutir nas nossas emoções e sentimentos sentir, assim o físico acaba adoecendo por conta destas nossas emoções não elaboradas.

Uma grande parte das perturbações psicossomáticas, que acabamos desenvolvendo, está relacionada a sentimentos negativos como, por exemplo, culpa, raiva, inveja, ódio, tristeza, mágoa, frustração, culpa, falta de perdão e etc. O perfil de quem sofre destes transtornos psicológicos são intensos como angústias, rancores reprimidos, tensões, entre outros.

As emoções negativas devem ser trabalhadas, pois a cada passo que nos é dado elas nos envenenam diariamente, de uma forma lenta. Muitas vezes minando o nosso sistema imunológico e fragilizando o nosso organismo, muitas vezes não sabemos o porquê de estarmos doentes, mas a nossa doença pode estar ligada a nossa psique. O resultado de tudo isso: Acabando nos expondo ao desenvolvimento de algumas doenças, como úlcera gástrica, algumas dores musculares, doenças ligadas ao sistema cardiovascular, respiratórias e até mesmo câncer. Deste modo vale alertar sobre a tonelada de emoções que estamos adquirindo e alimentando diariamente,  a quantidade de emoções que nós alimentamos ao longo de nosso dia, pois desta forma podemos curar enfermidades de nossa alma.

O diálogo/ debate sobre o perdão deve ser profundo, pois a não liberação disto tudo nos abrange de uma forma terrível, desta forma não se tratando apenas de uma forma religiosa ou  ligada à espiritualidade. Existem vários estudos científicos que comprovam que o ódio, a tristeza e também a falta de perdão assolam tanto o nosso físico, como também a nossa própria existência.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *