Por Adriano de Souza Se crítico literário fosse, certamente não faria este