Umbanda: 110 anos de Amor e Caridade (1908-2018)

umbanda 110 anosPor Isadora Espinosa

Este ano de 2018 a Umbanda completa seus 110 anos. Vou trazer aqui questões bem pontuais, deixo claro que a Umbanda é uma religião bem ampla que requer estudo como qualquer outra. Mesmo sendo umbandista há 12 anos, quase 13 anos, sempre temos o que aprender. Afinal, nossa maior lei é o Amor e a Caridade.

A Origem da Umbanda

Ocorreu através de um jovem de 17 anos, o médium Zélio Ferdinando de Moraes, natural de Niterói, Rio de Janeiro, que havia sido diagnosticado com uma paralisia que os médicos não conseguiam especificar. Certo dia, ele levantou e disse: amanhã estarei curado. De fato, no dia seguinte, o médium não tinha nenhuma enfermidade.

Depois de muitas discussões com um amigo da família, aceitaram visitarem a Federação Espírita de Niterói e assistir uma sessão. O rapaz foi convidado a participar e antes de iniciar a sessão diz: – aqui está faltando uma flor. Foi até o jardim do prédio e a coloca em cima da mesa.

Então começaram a acontecer incorporações que não eram permitidas pelo kardecismo tradicional, como ex escravos e índios nos médiuns ali presentes. Até que o espírito incorpora no Zélio de Moraes e se revela como Caboclo da Sete Encruzilhadas, o senhor dos caminhos, onde ele diz “NÃO HAVERÁ CAMINHOS FECHADOS PARA MIM”, então anuncia a criação de uma nova religião onde negros e índios considerados espíritos atrasados, poderão se manifestar e dividir com a humanidade seus conhecimentos.

Assim, às 20h do dia 16 de novembro de 1908, manifestou-se o caboclo em Zélio, anunciando a criação da nova religião. Com a ajuda de um pequeno passou a realizar curas e logo fundou o primeiro espaço dedicado ao culto, a Tenda de Umbanda Nossa Senhora da Piedade, registrada em cartório em 1908 e ainda funcionando. O culto combina elementos da filosofia espírita kardecista, dos vários cultos afro-brasileiros, tradições indígenas e do cristianismo católico. Por ter nascido e se desenvolvido nas classes mais humildes da população brasileira, a condução e filosofia do culto muitas vezes ainda difere, havendo visões até mesmo divergentes acerca de vários conceitos da religião entre seus praticantes.

Sete Linhas da Umbanda

Em cada Trono Divino há uma Divindade assentada que na Umbanda nominamos de Orixás Regentes.

As Sete Linhas de Umbanda são as irradiações dos Sagrados Orixás Regentes e cada uma dessas essências atua num padrão vibratório que estimula e dá sustentação aos seres que vivem em todas as dimensões do planeta.

A Umbanda tem nas Sete Linhas seus fundamentos:

A Linha Cristalina estimula a Fé (Religiosidade)

A Linha Mineral estimula o Amor/Concepção (Sexualidade)

A Linha Vegetal estimula o Raciocínio (Conhecimento)

A Linha Ígnea estimula a Razão (Juízo)

A Linha Eólica estimula a Ordem (Equilíbrio)

A Linha Telúrica estimula o Saber (Evolução)

A Linha Aquática estimula a Maternidade (Geração)

São sete irradiações, sete padrões vibratórios, sete sentidos da vida e sete sentimentos. As sete irradiações dão origem a sete essências, que dão origem a sete elementos, que por sua vez dão origem a sete tipos de matérias ou energias.

Todas são Irradiações Divinas e cada uma flui num padrão próprio que influencia quem é alcançado por ela, alterando nossos sentimentos mais íntimos e o nosso padrão vibratório, estimulando sentimentos mais nobres e virtuosos. Assentados nestas linhas estão os Divinos Orixás, da seguinte forma:

A Linha da Fé Oxalá Oyá Logunan

A Linha do Amor Oxum Oxumaré

A Linha do Conhecimento Oxóssi Obá

A Linha da Razão Xangô Iansã

A Linha da Ordem Ogum Egunitá

A Linha da Evolução Obaluayê Nanã

A Linha da Geração Iemanjá Omulu

Fonte: Fanpage Umbanda eu Curto.

Cada ano é escolhido pelo Plano Espiritual 2 Orixás, sempre um masculino e um feminino para reger o ano. Em 2018 os Orixás regentes são: Xangô no primeiro semestre do ano e Iansã no segundo semestre.

Ainda tem muitas coisas sobre a Umbanda a serem abordadas. Para cada linha existe suas subdivisões e ainda outros fundamentos da Umbanda, como a defumação, tudo na Umbanda existe um porquê, um motivo de ser. Acredito ser esse o motivo de fazer dessa religião a minha fé há tantos anos.

As informações para essa matéria foram retiradas das seguintes fontes:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Origem_da_Umbanda

CUMINO, Alexandre. Umbanda não é macumba: é religião e tem fundamento. São Paulo, Madras, 2014.

Fanpage Umbanda eu Curto.

Imagem Google

Comentários
  1. Giovani Andreoli

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *