Cidade, rua, gente. É possível desautomatizar o olhar?

Flávia Azambuja e Clara Dornelles

Coordenadoras do LAB

 

Cidade, rua, gente, esse foi o tema de mais uma oficina realizada pelo LAB – Laboratório de Leitura e Produção Textual, projeto de extensão da Unipampa, campus Bagé. Dessa vez, o projeto contou com a parceria da Urcamp, onde a oficina foi realizada nos dias 5 e 12 de maio, com a participação de estudantes de jornalismo da universidade, além da comunidade não acadêmica.

587760c6-b0c4-47ea-9928-8adfcddf07c6

Participantes da oficina realizando um dos exercícios propostos pelas oficineiras

Foto: Flávia Azambuja

As oficineiras, Viviane Geribone, professora da Urcamp e Mestra em Educação pela URI, e Mariane Rocha, mestranda em Literatura Comparada pela UFPel, mobilizaram a temática através da leitura e produção de crônicas com fotos, em que os participantes tiveram a oportunidade de desautomatizar seus olhares para o cotidiano. O grupo também pode refletir sobre questões técnicas tanto ligadas às crônicas quanto às fotografias.

A proposta foi a de olhar para a cidade, para a rua e para as pessoas como fonte de inspiração. As oficineiras tinham como objetivo que os participantes refletissem sobre textos, percebendo o que Mariane chamou de “o terceiro texto”, em que a integração entre o visual por meio da foto e o verbal por meio da escrita constroem um texto que só é possível nessa relação. Assim, foram dois dias de pensar a vida de modo diferente, associando crônica com fotografia em uma produção textual em que a imagem não é mera ilustração do texto escrito.

Pelas palavras de Vitória Magalhães, as oficineira alcançaram o que almejavam. “A oficina me ajudou a não apenas descrever uma foto, mas sim torná-la um texto”.

Abaixo, você pode conferir duas produções resultantes de exercícios realizados na oficina. Para conhecer as demais produções, visite a exposição “Cidade, rua, gente”, no dia 08 de julho (domingo) na Casa Pitanga, quando também haverá a premiação dos vencedores do I Concurso do Jornal Universitário do Pampa (Junipampa).

Saiba mais sobre o concurso em: http://junipampa.info/educacao/labjunipampa-realiza-primeiro-concurso-de-escrita-com-fotografia-participacao-gratuita/#.WwcZh-4vzIU  

Exercício realizado na oficina: Escolher uma foto e continuá-la, integrando-a à escrita.


 

 

Sem título (2)

Meus pés nervosos escapam das prisões. Sou filha dessa terra e como tal gosto de sentir o contato dos meus dedos com o chão frio, sentir o pó se misturando a minha pele até virarmos um só. Sou e não sou minha herança…A terra continua, mesmo sem mim.

Flávia Azambuja.

 

oficina

Os nós que não atam, mas seguem o fluxo de vidas partidas. Ambíguas mesmo, porque nunca sabemos como será o fim da história. E pode até ser que nunca tenha fim, porque não é novela. O fim da vida é assim: acontecimento.

Clara Dornelles.

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *