Resenha de “Complexo de Cinderela”

Ana Isabel de Sousa Amorim

Letras – Linguas Adicionais: Inglês, Espanhol e suas respectivas literaturas(UNIPAMPA)

13321621_1026159294086778_3968511440212178629_n

Foto: instagram/@0range_sea

“Complexo de Cinderela” foi escrito em 1981 por Colette Dowling, uma psicóloga americana que após alguns acontecimentos optou por escrever um estudo minucioso sobre a psicologia feminina e os impactos do feminismo no papel da mulher na sociedade.

 Apesar de parecer uma leitura complicada, e, em alguns pontos, realmente ser, o livro inicia com relatos de Dowling e as explicações que ela acredita serem pertinentes a suas escolhas. Criada após o primeiro impacto do feminismo no mundo, Colette foi educada para ser uma mulher independente, pelo menos é assim que acreditava ter sido. Mas, ao decorrer da sua vida, nota que a independência para as mulheres de sua geração não passa de uma falácia imaginativa que só pode ser verdadeiramente alcançada com a percepção deste fato.

Assim, ela se lança no que se torna o maior desafio de sua carreira, estudar o comportamento das mulheres de sua geração e os impactos da evolução do papel da mulher na sociedade em suas criações e em suas vidas adultas. A cada capítulo, a autora lhe oferece relatos, dados de instituições, pesquisas feitas em diferentes estados, assim, toda a sua argumentação é comprovada com os dados apresentados.

 O interessante é que mesmo escrito há mais de 30 anos, “Complexo de Cinderela” permanece sendo um livro atual. As mulheres ainda permanecem na corda bamba entre serem independentes e agirem como manda a sociedade, mesmo após tantas mudanças sociais, o complexo de Cinderela permanece firmemente ceifando mulheres brilhantes para o que elas pensam ser a vida ideal.

Um outro fator importante é que Colette reconhece a culpa de cada um no desenvolvimento deste complexo e apresenta, também, um meio de supera-lo. Além de mostrar o quão comum ele é e quais são o grupo de mulheres mais atingidas. Diferente de alguns escritos feministas, ela não vai contra a existência da família e o seu papel de mãe, mas vai contra a ideia de que precisa deixar o que lhe é importante para ser uma mãe e esposa eficiente.

 Assim, ao decorrer do estudo, ela combate firmemente o complexo de Cinderela em sua vida e nos relata, juntamente com a história de muitas outras mulheres fantásticas, quanto potencial pode ser sufocado pela ideia do “felizes para sempre”.

Comentários
  1. auto detailing kansas city
  2. finger massager
  3. moving help in mamaroneck

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Junipampa