Hipertensão Arterial

Por Maria Gabriela Konzen Loureiro e Silvia Luci de Almeida Dias.

image1

Fonte: Google imagens.

A hipertensão arterial (HA) ou pressão alta, como é popularmente conhecida, é uma doença crônica definida por níveis pressóricos altos, onde a pressão arterial se mantém acima de 140 por 90 mmHg. Ou seja, acima de 14 por 9. O Ministério da Saúde estima que cerca de 25% da população brasileira seja hipertensa, sendo que esse percentual quase triplica acima dos 60 anos.

Segundo as Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial (2020), trata-se de uma condição multifatorial que depende de fatores genéticos, ambientais e sociais. Sendo o principal fator de risco para doenças cardiovasculares, doença renal crônica e morte prematura. As complicações nos órgãos-alvo incluem: doença arterial coronária, insuficiência cardíaca, acidente vascular encefálico e demência.

Dentre os fatores de risco para desenvolvimento da doença, estão o fumo, consumo de álcool, sobrepeso/obesidade, grande consumo de sal, níveis altos de colesterol, falta de exercício físico e condição socioeconômica, tais como menor escolaridade, condições de habitação impróprias e baixa renda. Além disso, sabe-se que a incidência é maior entre homens com até 50 anos, entre mulheres acima de 50 anos e em diabéticos.

Os sintomas costumam aparecer apenas quando a pressão sobe muito, com dores no peito, dores de cabeça – principalmente na nuca –, tonturas, zumbido no ouvido, visão embaçada e sangramento nasal. Por se tratar de uma condição frequentemente assintomática, podemos chamar a HA de uma doença silenciosa. Quando os sintomas surgem é provável que ela já esteja em uma fase mais avançada, portanto, a prevenção, com um estilo de vida saudável, continua a ser a melhor opção.

Medir a pressão arterial regularmente é a única maneira de diagnosticar a hipertensão. Pelo menos uma vez por ano para pessoas acima de 20 anos e no mínimo duas vezes para pessoas com histórico familiar de HA, vale ressaltar que pessoas com este histórico devem sempre informar isso nas consultas de rotina, principalmente se for o pai ou a mãe.

Para confirmação do diagnóstico, a pressão deve ser avaliada em 3 dias diferentes, sendo recomendado uma avaliação fora do consultório. O paciente deve seguir orientações como evitar tomar café ou bebidas estimulantes, descansar bem e relaxar antes da avaliação.

Apesar das consequências graves, o tratamento da HA é relativamente simples e eficaz. Há uma pequena parcela de pessoas que consegue dominar a doença apenas com ajustes na alimentação, exercícios físicos e controle do estresse. Porém, somente o médico poderá determinar o melhor método para cada paciente.

No geral, o tratamento envolve mudanças no estilo de vida e a introdução de medicamentos que causam pouco ou nenhum efeito adverso. As avaliações médicas são periódicas, normalmente de 6 em 6 meses. Lembrando sempre que, mesmo com a condição estabilizada, a doença não é eliminada, sendo necessário manter os cuidados adequados.

 

Discente: Maria Gabriela Konzen Loureiro 

E-mail: marialoureiro.aluno@unipampa.edu.br

Docente: Silvia Dias 

E-mail: silviadias@unipampa.edu.br

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Junipampa