As melhores séries de 2017

tv-1945130_960_720Por Maria Augusta Tellechea Alves

Acho que o título é auto explicativo né? Eu sou aquele tipo de pessoa que se apaixona por uma série a cada mês, assisti muitas mais do que estão nessa lista e provavelmente estou esquecendo de alguma, mas resolvi escrever esse texto para declamar meu amor e também para indicar aos que se interessarem as melhores séries que assisti no ano de 2017, na minha opnião, é claro. Algumas são lançamentos desse ano e outras não, então vamos lá! As séries não estão ordenadas porque já não lembro a ordem em que assisti.

 

Big Little Lies: É uma série que conta a história de mulheres ricas que aparentemente vivem uma vida perfeita, mas guardam segredos obscuros e suas famílias que vivem em uma pequena cidade chamada Monterrey, no primeiro episódio ficamos sabendo que houve uma morte, e ao longo da temporada vemos o interrogatório de personagens secundários ao mesmo tempo em que a história vai sendo desenrolada até o momento da morte. A série conta com 7 episódios e foi renovada para uma segunda temporada, tem uma trilha sonora maravilhosa e atuações igualmente boas, com destaque para Nicole Kidman, uma das coisas que mais eu gostei nessa série foi que apesar das diferenças as mulheres se unem para ajudar umas as outras, precisamos ver mais união feminina.

 

The Sinner: Eu já havia visto filmes com a Jessica Biel antes, um dos meus preferidos inclusive, mas depois dessa série nunca mais vejo essa atriz com os mesmos olhos, ela se entregou a esse papel e isso é nítido para nós telespectadores. A série conta a história de uma mulher (Jessica Biel) que vive com seu marido e seu filho uma vidinha normal e pacata, quando em um belo dia na praia ela mata um homem a facadas na frente de todo mundo, isso não é spoiler já que é o tema central da série, mas quando ela é presa e interrogada, ela não sabe dizer o porquê de ter feito o que fez, então a série desenrola com um policial tentando descobrir e entender esse ato. A série até onde sei não foi renovada para uma segunda temporada e conta com 8 episódios.

 

The Handmaid’s tale: Essa série se passa em futuro distópico onde os Estados unidos já não existem e agora é conhecido pelo nome de Gilead, uma doença deixou parte da população estéril e as mulheres perderam todos os seus direitos. As mulheres são então divididas em castas, na série vamos acompanhar a vida de uma aia, que são as mulheres que tem sua fertilidade comprovada por já terem filhos, as aias são treinadas e designadas para casas de famílias até que dêem um filho para esta família. Ao mesmo tempo em que é um série de ficção, também me deixou com a sensação de que não era algo impossível de acontecer, é uma série triste mas que nos faz pensar, quando série acaba é inevitável parar e refletir sobre os abusos que essas mulheres passam e não é muito diferente do que acontece na vida real. A série foi renovada para uma segunda temporada.

 

Dark: A primeira coisa que precisamos saber sobre Dark é de que é uma série sobre viagem no tempo, vamos acompanhar a vida dos habitantes de uma cidade chamada Winden e a série se reveza em passado presente e futuro, confesso que demorei uns 3 episódios para me situar, porque são tantos personagens que fica um pouco confuso no início, mas depois de 3 episódios a série flui e fica maravilhosa. Dark é uma alemã e isso é um diferencial já que a maioria dos seriados que fazem sucesso no mundo são americanos ou britânicos, dentre muitas outras coisas que chamaram minha atenção nessa série a cultura é uma delas, preciso falar de uma personagem que aparece ao longo da temporada que possui deficiência auditiva e por um segundo tive a sensação de que ninguém além da família entenderia o que ela diria, mas fui surpreendida pelo fato de que todos os personagens falavam a língua de sinais e se comunicavam com ela, é um fator que não faz diferença na narrativa e nem interfere nos assuntos da série, mas eu achei incrível a inclusão dessa personagem.

 

13 reasons why: É provavelmente uma das séries mais polêmicas deste ano por conter cenas pesadíssimas e que muitos dizem que podem acionar gatilhos, isso porque a série narra a história de Hanna, que comete suicídio e deixa fitas explicando o porquê de ela ter feito isso sendo cada porque uma pessoa. Um dos temas centrais é o bullying que a personagem sofre entre outros como por exemplo o machismo, analisando melhor a série provavelmente muitas coisas teriam sido evitadas se Hanna fosse homem, então além de tratar de elementos tão presentes atualmente a série nos faz pensar no modo como tratamos as pessoas, e que muitas pessoas ao nosso redor podem estar lutando contra coisas que nem fazemos ideia.

 

This is us: Está é uma série que eu ainda não terminei, mas não poderia deixar de colocar nessa lista, mesmo que ela me faça chorar em todos os episódios, sem exageros. É uma série de drama que conta a história de 3 irmãos alternando passado e presente, com assuntos atuais e do dia a dia ela não tem nada de extraordinário mas ao mesmo tempo tem tudo, personagens complexos que fazem com que tenhamos uma empatia por eles, porque passam por situações que nós podemos passar também. A primeira temporada conta com 18 episódios e a segunda está em andamento.

 

Então essas são as séries que eu olhei e ainda estou assistindo, e que mais me impactaram, provavelmente farei um segunda parte já que achei o texto muito longo, recomendo todas e cada uma delas.

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *